Informações

Benefícios da interface gráfica do usuário

Benefícios da interface gráfica do usuário

A interface gráfica do usuário (GUI; às vezes pronunciada “pegajosa”) é usada pela maioria dos sistemas operacionais e programas de software comercialmente populares hoje em dia. É o tipo de interface que permite aos usuários manipular elementos na tela usando um mouse, uma caneta ou até um dedo. Esse tipo de interface permite que programas de processamento de texto ou web design, por exemplo, ofereçam opções WYSIWYG (o que você vê é o que obtém).

Antes de os sistemas GUI se tornarem populares, os sistemas de interface da linha de comandos (CLI) eram a norma. Nesses sistemas, os usuários precisavam inserir comandos usando linhas de texto codificado. Os comandos variaram de instruções simples para acessar arquivos ou diretórios a comandos muito mais complicados que exigiam muitas linhas de código.

Como você pode imaginar, os sistemas GUI tornaram os computadores muito mais amigáveis ​​que os sistemas CLI.

Benefícios para empresas e outras organizações

Um computador com uma GUI bem projetada pode ser usado por quase qualquer pessoa, independentemente de quão tecnicamente esclarecido o usuário possa ser. Considere os sistemas de gerenciamento de caixa, ou caixas registradoras computadorizadas, atualmente em uso em lojas e restaurantes. A inserção de informações é tão simples quanto pressionar números ou imagens em uma tela sensível ao toque para fazer pedidos e calcular pagamentos, sejam eles em dinheiro, crédito ou débito. Esse processo de introdução de informações é simples, praticamente qualquer pessoa pode ser treinada para fazê-lo, e o sistema pode armazenar todos os dados de vendas para análise posterior de inúmeras maneiras. Essa coleta de dados era muito mais trabalhosa nos dias que antecederam as interfaces GUI.

Benefícios para indivíduos

Imagine tentar navegar na web usando um sistema CLI. Em vez de apontar e clicar em links para sites visualmente impressionantes, os usuários precisariam acessar diretórios de arquivos acionados por texto e talvez precisassem se lembrar de URLs longos e complicados para inseri-los manualmente. Certamente seria possível, e muita computação valiosa foi feita quando os sistemas CLI dominavam o mercado, mas poderia ser entediante e geralmente limitado a tarefas relacionadas ao trabalho. Se visualizar fotos de família, assistir a vídeos ou ler as notícias em um computador doméstico significasse ter que memorizar entradas de comando às vezes longas ou complexas, poucas pessoas achariam essa uma maneira relaxante de gastar seu tempo.

Valor da CLI

Talvez o exemplo mais óbvio do valor da CLI seja com quem escreve código para programas de software e designs da web. Os sistemas GUI tornam as tarefas mais acessíveis aos usuários comuns, mas combinar um teclado com um mouse ou uma tela sensível ao toque de algum tipo pode ser demorado quando a mesma tarefa pode ser realizada sem a necessidade de tirar as mãos do teclado. Quem escreve código conhece os códigos de comando que precisa incluir e não quer perder tempo apontando e clicando se não for necessário.

A introdução manual de comandos também oferece precisão que uma opção WYSIWYG em uma interface GUI pode não fornecer. Por exemplo, se o objetivo é criar um elemento para uma página da web ou um programa de software com largura e altura precisas em pixels, pode ser mais rápido e preciso inserir essas dimensões diretamente do que tentar desenhar o elemento com um rato.