Novo

Campanha Panfleto Abolicionista

Campanha Panfleto Abolicionista

No verão de 1835, o crescente movimento abolicionista tentou influenciar a opinião pública nos estados escravos, enviando milhares de panfletos anti-escravidão para endereços no sul. Os sulistas inflamados do material, que invadiram as agências dos correios, apreenderam sacos de correspondência contendo os panfletos e fizeram um espetáculo de queimar os panfletos nas ruas enquanto multidões aplaudiam.

A interferência no sistema postal criou uma crise no nível federal. E a batalha pelo uso dos correios iluminou como a questão da escravidão dividia o país décadas antes da Guerra Civil.

No Norte, as chamadas para censurar os e-mails eram naturalmente vistas como uma violação dos direitos constitucionais. Nos estados escravos do sul, a literatura produzida pela American Anti-Slavery Society era vista como uma ameaça terrível à sociedade do sul.

Em termos práticos, o postmaster local em Charleston, Carolina do Sul, solicitou orientação ao postmaster general em Washington, que basicamente se esquivou do assunto.

Após um espasmo de manifestações no Sul, nas quais efígies representando líderes abolicionistas foram queimadas quando panfletos anti-escravidão foram jogados em fogueiras, o campo de batalha passou para os corredores do Congresso. O presidente Andrew Jackson mencionou até a remessa dos panfletos em sua mensagem anual ao Congresso (o precursor do discurso sobre o estado da união).

Jackson defendeu a supressão da literatura fazendo com que as autoridades federais censurassem os e-mails. No entanto, sua abordagem foi contestada por um eterno rival, o senador John C. Calhoun, da Carolina do Sul, que defendia a censura local ao correio federal.

No final, a campanha dos abolicionistas para enviar panfletos para o sul foi essencialmente abandonada como impraticável. Portanto, a questão imediata de censurar os e-mails desapareceu. E os abolicionistas mudaram de tática e começaram a se concentrar em enviar petições ao Congresso para advogar pelo fim da escravidão.

Estratégia da Campanha Panfleto

A idéia de enviar milhares de panfletos anti-escravidão para os estados escravistas começou a se firmar no início da década de 1830. Os abolicionistas não podiam enviar agentes humanos para pregar contra a escravidão, pois eles arriscariam suas vidas.

E, graças ao apoio financeiro dos irmãos Tappan, ricos comerciantes da cidade de Nova York que haviam se dedicado à causa abolicionista, a mais moderna tecnologia de impressão foi disponibilizada para espalhar a mensagem.

O material produzido, que incluía panfletos e bordos (folhas grandes projetadas para serem passadas ou penduradas em pôsteres), tendia a ter ilustrações em xilogravura que descreviam os horrores da escravidão. O material pode parecer grosseiro aos olhos modernos, mas na década de 1830 seria considerado material impresso bastante profissional. E as ilustrações eram particularmente inflamatórias para os sulistas.

Como os escravos tendiam a ser analfabetos (como era geralmente exigido por lei), a existência de material impresso mostrando escravos sendo chicoteados e espancados era vista como particularmente inflamatória. Os sulistas alegaram que o material impresso da American Anti-Slavery Society pretendia provocar revoltas de escravos.

E saber que os abolicionistas tinham o financiamento e o pessoal para produzir material impresso de qualidade substancial era perturbador para os americanos pró-escravidão.

Fim da Campanha

A controvérsia sobre a censura dos e-mails encerrou a campanha do panfleto. A legislação para abrir e pesquisar os e-mails falhou no Congresso, mas os correios locais, com a aprovação tácita de seus superiores no governo federal, ainda suprimiram os panfletos.

Por fim, a American Anti-Slavery Society percebeu que um argumento havia sido feito. E o movimento começou a se concentrar em outras iniciativas, com destaque para a campanha para criar uma forte ação anti-escravidão na Câmara dos Deputados. A campanha do panfleto, em cerca de um ano, foi essencialmente abandonada.

Assista o vídeo: Abolicionismo e fim da escravidão. Nerdologia (Fevereiro 2020).