Interessante

Batalha de Eutaw Springs, 8 de setembro de 1781

Batalha de Eutaw Springs, 8 de setembro de 1781


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Batalha de Eutaw Springs, 8 de setembro de 1781

Batalha durante a Guerra da Independência Americana. Deixando a perseguição de Cornwallis para Washington e os franceses, uma força sob o comando do major-general Nathanael Greene mudou-se para a Carolina do Sul, onde guarnições britânicas e forças legalistas detinham grande parte do estado. Greene foi derrotado na colina de Hobkirk (25 de abril) e não conseguiu capturar a principal fortaleza britânica remanescente (Fort Ninety-Six), mas, apesar dessas falhas, a posição britânica começou a enfraquecer. A perseguição de Greene falhou e o Fort Ninety-Six teve de ser abandonado. Os britânicos retiraram-se para a costa e Greene o seguiu.

Em Eutaw Springs, Greene, com cerca de 2.200 homens, encontrou um acampamento britânico sob o comando do tenente-coronel Alexander Stewart. A força americana formou-se em duas linhas, com a milícia na linha de frente e os regulares da Carolina do Norte, Maryland e Virgínia na segunda. Uma carga de baioneta britânica quebrou o centro da primeira linha americana. A situação foi temporariamente restaurada pelos Continentais da Carolina do Norte até que eles também foram quebrados por uma carga britânica, mas as tropas da Virgínia e de Maryland foram enviadas para a brecha e não apenas repeliram o acampamento britânico, mas forçaram uma retirada geral, com os britânicos em alguns transtorno.

Os americanos agora entraram no campo britânico, onde a maioria deles parou para saquear os suprimentos britânicos. A situação agora mudou novamente. No canto nordeste do acampamento havia uma forte casa de tijolos agora defendida pelo batalhão britânico restante, comandado pelo major John Marjoribanks. Este batalhão havia expulsado a cavalaria americana antes de voltar para a casa de tijolos. As tentativas de capturar a casa falharam e o Marjoribanks conseguiu restaurar alguma ordem ao resto das forças britânicas. Com a força recém-restaurada, ele foi capaz de expulsar os saques americanos do acampamento britânico. Um batalhão americano devolveu o favor e atrasou o avanço britânico, permitindo que o exército americano recuasse sem sofrer uma derrota. Os britânicos mantiveram o campo e sofreram menos baixas do que os americanos - 85 mortos em comparação com 138 americanos mortos e 41 desaparecidos.

Apesar da vitória militar, o resultado geral das operações de Greene foi forçar os britânicos a abandonar a maioria de suas conquistas no Sul, deixando-os isolados em Charleston e Savannah. A tentativa britânica de pacificar o sul com a ajuda dos legalistas havia falhado, mesmo antes da rendição em Yorktown.


Veja tambémLivros sobre a Guerra da Independência AmericanaÍndice de assuntos: Guerra da Independência Americana


Batalha de Eutaw Springs, 8 de setembro de 1781 - História

As batalhas de Eutaw Springs

A Batalha de Eutaw Springs (o cerco de Charleston) foi a última batalha importante nas batalhas pelas Carolinas. Foi lutado em 8 de setembro de 1781, perto de Eutawville, South Carolina. As tropas patriotas com o general Nathanael Greene no comando atacaram o coronel britânico Alexander Stewart e suas tropas às quatro da manhã. Esse movimento forçou os britânicos a abandonar o campo. As tropas britânicas se reuniram e empurraram o Exército Continental. Naquela noite, o coronel Stewart e seu regimento se retiraram. Essa batalha provocou a Batalha de Yorktown, a batalha final da guerra.

último engajamento importante na campanha da Carolina da Revolução Americana (1775-1783), travada em 8 de setembro de 1781, perto de Eutawville, Carolina do Sul. As forças americanas comandadas pelo general Nathanael Greene atacaram às 4 da manhã, expulsando do campo as tropas britânicas comandadas pelo coronel Alexander Stewart. Os britânicos então se reagruparam e repeliram os americanos. Após o pôr do sol, Stewart recuou em direção a Charleston. A batalha foi uma vitória importante para os americanos que forçou os britânicos a permanecerem em Charleston e preparou o caminho para o cerco de Yorktown.

A batalha final do ano aconteceu em Eutaw Springs. O Exército do General Greene abordou o exército do Coronel Stewart localizado em Eutaw Springs, 30 milhas a noroeste de Charleston. Greene acreditava que se pudesse destruir Stewart, poderia acabar com a ameaça britânica ao sul de uma vez por todas. No início da manhã de 8 de setembro, as tropas americanas avançaram sobre as tropas britânicas. O ataque americano fracassou quando os homens pararam para saquear o acampamento. Os britânicos contra-atacaram e forçaram os americanos a se retirarem. O resultado final, entretanto, foi que os britânicos estavam muito fracos para segurar o campo mais.

Em Eutaw Springs, Carolina do Sul, as forças americanas sob o comando do general Nathanael Greene foram forçadas a se retirar após um ataque aos britânicos sob o comando do coronel Alexander Stewart.


O Encontro dos Exércitos

Embora Greene tenha sido forçado a recuar, Rawdon decidiu abandonar Ninety-Six como parte de uma retirada geral do sertão. À medida que o verão avançava, os dois lados murcharam com o clima quente da região. Sofrendo de problemas de saúde, Rawdon partiu em julho e entregou o comando ao tenente-coronel Alexander Stewart. Capturado no mar, Rawdon foi uma testemunha involuntária durante a Batalha de Chesapeake em setembro. Após o fracasso em Noventa e Seis, Greene mudou seus homens para as mais frias High Hills de Santee, onde permaneceu por seis semanas. Avançando de Charleston com cerca de 2.000 homens, Stewart estabeleceu um acampamento em Eutaw Springs, aproximadamente cinquenta milhas a noroeste da cidade.

Retomando as operações em 22 de agosto, Greene mudou-se para Camden antes de virar para o sul e avançar em Eutaw Springs. Com falta de comida, Stewart começou a enviar grupos de coleta de alimentos de seu acampamento. Por volta das 8h do dia 8 de setembro, um desses grupos, liderado pelo capitão John Coffin, encontrou uma força de patrulha americana supervisionada pelo major John Armstrong. Recuando, Armstrong liderou os homens de Coffin em uma emboscada onde os homens do tenente-coronel "Cavalo-leve" Harry Lee capturaram cerca de quarenta soldados britânicos. Avançando, os americanos também capturaram um grande número de forrageadoras de Stewart. Conforme o exército de Greene se aproximava da posição de Stewart, o comandante britânico, agora alertado para a ameaça, começou a formar seus homens a oeste do acampamento.


Batalha [editar | editar fonte]

A fim de compensar a falta de pão em seus suprimentos, Stewart enviava grupos de caça-níqueis todas as manhãs para desenterrar inhames, desarmado, exceto por um pequeno destacamento de guarda. Por volta das 8h do dia 8 de setembro, o capitão John Coffin e um destacamento de sua cavalaria legalista da Carolina do Sul estavam fazendo um reconhecimento à frente da força principal de Stewart quando ele encontrou um grupo de batedores americanos montado sob o comando do major John Armstrong. Coffin perseguiu Armstrong, que o levou a uma emboscada. Atacado pelo 2º Corpo de Partidários de Henry Lee, Coffin escapou, mas deixou 4 ou 5 de seus homens mortos e mais 40 capturados. & # 915 & # 93 Os americanos então encontraram as forrageadoras de Stewart e capturaram cerca de 400 delas. & # 918 e # 93

A força de Greene, com cerca de 2.200 homens, agora se aproximou do acampamento de Stewart enquanto Stewart, avisado por Coffin, implantou sua força. & # 919 & # 93 Quando os americanos perceberam que estavam se aproximando da força britânica, eles formaram duas linhas, com a milícia na linha de frente e os regulares da Carolina do Norte, Maryland e Virgínia na segunda linha. Os britânicos atacaram a posição americana e romperam o centro da primeira linha das forças americanas. Os Continentals da Carolina do Norte na segunda linha reforçaram a primeira, e tiveram sucesso temporariamente até serem quebrados por uma carga britânica. Os regulares da Virgínia e de Maryland, então, ajudaram seus camaradas. Este ataque parou o avanço britânico e os britânicos começaram a recuar em desordem.

Os americanos perseguiram os soldados britânicos em retirada para o campo britânico, onde a maioria dos americanos parou para saquear os suprimentos britânicos. A situação agora mudou novamente. No canto nordeste do acampamento havia uma forte casa de tijolos defendida por um batalhão britânico comandado pelo major John Majoribanks. Este batalhão havia repelido um ataque anterior da cavalaria americana antes de cair de volta para a casa. Um ataque americano à casa falhou e o Majoribanks conseguiu restaurar a ordem ao resto das forças britânicas. As forças britânicas lançaram um contra-ataque e expulsaram as forças americanas do campo britânico. Um batalhão americano foi capaz de atrasar o avanço britânico o suficiente para permitir que o exército americano recuasse em boa ordem.


Batalha de Eutaw Springs, 8 de setembro de 1781 - História

Uma das ações mais sangrentas da guerra não poderia ter acontecido em pior momento para o cansado exército desorganizado sob o comando do tenente-coronel Alexander STEWART.

Desgastados por um verão infrutífero de contratempos e marchas quentes, os restos do exército britânico fora de Charlestown pararam neste posto avançado para se refrescar e reunir provisões.

Completamente alheio a uma grande força de continentais e milícias com artilharia e cavalaria sob o comando do major-general Nathanael Greene, STEWART enviou para fora do campo mais de trezentos oficiais e homens para colher vegetais de raiz.

Na manhã de 8 de setembro, o Exército de Greene dirigiu os piquetes britânicos e capturou um grande número de forrageadores.

A linha britânica e provincial caiu rapidamente, mas foi jogada de volta em seu acampamento.

Os veteranos dos voluntários de Isaac ALLEN em Nova Jersey, John Harris, a Brigada DeLancey de CRUGER, derreteram com o ataque.

Os destacamentos de Royal Highland Emigrants e Provincial Light Infantry tinham oficiais e soldados caindo quase a cada minuto.

Enquanto a linha recuava e recuava novamente, apenas dois grupos resistiram - os granadeiros britânicos e a infantaria leve sob o comando do Major MAJORIBANKS e a infantaria dos Voluntários de Nova York comandados pelo major Henry F. SHERIDAN.

As Companhias de Flanco comandadas por MAJORIBANKS mantiveram um matagal no flanco direito que repeliu ataques repetidos de cavalaria e infantaria, até derrubando e capturando o famoso Coronel William Washington dos 3 ° Dragões Ligeiros Continentais.

O major SHERIDAN levou seus nova-iorquinos para uma casa de pedra que dominava o campo e que é retratada na ilustração acima.

Por um fogo bem dirigido, os homens de SHERIDAN abateram as tripulações de artilharia de quatro canhões treinados contra eles, bem como numerosos oficiais que tentavam colocar ordem nas forças rebeldes que começaram a saquear o acampamento britânico.

Por seus esforços valentes, o tenente-coronel STEWART foi capaz de reunir o resto do exército e retornar à luta.

Desta vez foi a vez dos rebeldes recuarem, deixando para trás dois de seus canhões e várias dezenas de prisioneiros.

Um pequeno destacamento de cavalaria da Carolina do Sul e Nova York sob o major Brevet John COFFIN foi incapaz de perseguir vigorosamente, sendo muito fraco em números.

Quando a fumaça se dissipou, novecentos e cinquenta homens estavam mortos e feridos entre os dois exércitos. Outros trezentos foram feitos prisioneiros, a grande maioria britânicos e legalistas.

Embora a ilustração acima não seja estritamente correta em termos de precisão das roupas, ela certamente retrata bem a terrível carnificina da batalha e a casa de pedra que ajudou a salvar o dia dos britânicos.

Uma anedota interessante envolvendo essa parte da batalha é descrita pelo Dr. William Johnston ALMON, neto do Capitão William M. JOHNSTON dos Voluntários de Nova York.

Raramente ouvimos falar das façanhas individuais (ou fraquezas) de soldados particulares individuais.

Esta história, passada à família JOHNSTON, foi publicada em Recollections of a Georgia Loyalist sendo as memórias de Elizabeth Lichtenstein JOHNSTON, publicada pela The Bankside Press (Nova York) em 1901. O Dr. Almon relata o incidente da seguinte forma:

“Posso mencionar um incidente relacionado com a defesa desta casa de pedra, exemplificando o efeito de um pânico sobre um homem valente, que foi relatado pelo Capitão JOHNSTON a sua filha, minha mãe.

O Capitão JOHNSTON, ao atribuir postos de defesa aos homens de sua companhia, colocou em uma das posições mais expostas um de seus homens mais confiáveis, cuja coragem e intrepidez haviam sido testadas em muitos combates, colocando-o em uma janela para manter um fogo sobre o inimigo.

Pouco depois, ao visitar este posto, ele encontrou o posto deserto e a arma caída perto da janela.

Ele ficou sem saber o que dizer da ausência do homem, mas ao ver um armário no quarto, ele abriu a porta e encontrou o soldado escondido lá.

Ele ordenou a seu homem que saísse imediatamente, acompanhando sua ordem com uma picada de sua espada.

O homem obedeceu e disse: “Desculpe-me, capitão, isso nunca aconteceu antes de você me ver em perigo me comportar como um homem. Um sentimento de pânico se apoderou de mim, o qual não consigo explicar. Eu sabia que, se fosse feito prisioneiro, não haveria trégua para mim, pois sou um homem marcado, mas sei disso há muito tempo. Dê-me minha arma de novo e me comportarei de uma maneira digna de nosso corpo .

O capitão JOHNSTON o fez, e a conduta subsequente do homem não deu a ele motivos para se arrepender.

Não há como determinar positivamente o que o soldado quis dizer ao dizer que era um "homem marcado", mas pode ser uma alusão a ele ser um desertor dos rebeldes.

Instituto On-Line para Estudos Lealistas Avançados
Para obter informações, entre em contato com Todd Braisted


Conteúdo

Contexto histórico - Quebec e Ontário Edit

A província britânica de Quebec (que incluía grande parte das atuais províncias de Quebec e Ontário) foi o alvo de uma invasão pelas forças do Exército Continental em 1775. [5]

Tenente Coronel Allan Maclean, Comandante, 1º Batalhão Editar

O distinto herói de guerra, tenente-coronel Allan Maclean de Torloisk, (1725-83), foi autorizado pelo tenente-general Thomas Gage a criar um regimento de comunidades escocesas no Canadá, Nova York e Carolinas. O 84º Regimento de Highland foi o primeiro a ser criado entre os legalistas americanos. Os soldados foram escolhidos entre aqueles que serviram à Grã-Bretanha na Guerra dos Sete Anos - o 42º Regimento de Pé (Black Watch), 77º Regimento de Pé (Montgomerie's Highlanders) e 78º Fraser Highlanders. [10]

A perspectiva de criar regimentos nas Treze Colônias era uma missão perigosa. Dos cinco inicialmente solicitados, apenas dois batalhões foram convocados devido à dificuldade de recrutamento. Quando Maclean chegou a Nova York, não muito depois do início da guerra, ele foi avisado para não desembarcar em seu uniforme por medo de um ataque. Como resultado, quando viajava sozinho, ele se vestia de médico. [11] Os perigos de recrutar legalistas americanos tornaram-se ainda mais claros após a Batalha de Moore's Creek Bridge, uma vitória patriota, na Carolina do Norte. [12]

Battle of Moore's Creek Bridge, Carolina do Norte Editar

Membros do 84º Regimento de Highland estavam na Batalha de Moore's Creek Bridge, Carolina do Norte, no início de 1776. Em 27 de fevereiro de 1776, o 84º Regimento, com vários novos recrutas, estava marchando para o porto de Wilmington, Carolina do Norte. Lá eles deveriam se juntar a uma força vinda da Europa e participar de operações nas colônias do sul. A força recrutada, inicialmente com 1.600 americanos legalistas, mas reduzida durante a marcha por deserções para menos de 800, enfrentou 1.000 patriotas americanos. O movimento dos legalistas americanos foi bloqueado pelas forças patriotas em duas ocasiões, mas os legalistas conseguiram contorná-los para chegar à ponte sobre o riacho da viúva Moore. O capitão McLeod, que sobreviveu à Batalha de Bunker Hill, foi morto liderando o ataque na ponte Moore's Creek. Metade do regimento foi capturado e trinta foram mortos, com noventa e seis oficiais e homens feitos prisioneiros. [13] A maioria dos recrutas da Carolina nunca foi capaz de se juntar ao regimento, uma vez que as forças legalistas foram dispersas após a batalha. [14]

O tenente-coronel Donald MacDonald ajudou no recrutamento na Carolina do Norte e lutou na Batalha de Moore's Creek Bridge. [15] MacLean e MacDonald foram feitos prisioneiros. [16]

Sorel, Quebec, Quartel General, 1º Batalhão Edit

Em 1777, a sede mudou-se de Quebec para Sorel. [17]

Operações militares - Edição Quebec

Sob o comando de McLean, o Primeiro Batalhão agiu principalmente para defender Quebec das forças patriotas americanas. Ele marchou de Quebec em uma tentativa de repelir a invasão do Brigadeiro General Richard Montgomery no Cerco de Fort St. Jean, Quebec. O regimento fez duas tentativas para aliviar o forte, mas acabou retornando ao Quebec, onde ajudou a fortalecer a determinação da população civil até o retorno de Carleton de Montreal. [18]

O regimento também esteve envolvido na Batalha de Quebec. Montgomery e Benedict Arnold, que lideraram uma expedição pela selva do que hoje é o Maine, combinaram forças e montaram um ataque à cidade de Quebec. Em um momento crucial da batalha, o capitão McDougal liderou 120 dos 84 e 60 marinheiros da Marinha Real contra uma força de tropas de New Hampshire comandada por Henry Dearborn. Eles oprimiram os homens de Dearborn, forçando os sobreviventes a se renderem. [19]

Operações militares - Treze Colônias Editar

Mais tarde na guerra, eles participaram de ataques ao Lago Champlain em 1778 e ao Vale Mohawk em 1780, 1781 e 1782. [18]

Contexto histórico - Atlantic Canada Edit

O 84º foi encarregado de defender as províncias marítimas britânicas dos ataques revolucionários americanos por terra e mar. Durante a guerra, os corsários americanos devastaram a economia marítima atacando muitas das comunidades costeiras. Houve ataques constantes de corsários americanos, [20] como o Sack of Lunenburg, Nova Scotia (1782), numerosos ataques a Liverpool, Nova Scotia (outubro de 1776, março de 1777, setembro de 1777, maio de 1778, setembro de 1780) e um invasão em Annapolis Royal, Nova Scotia (1781). [21] Houve também um confronto naval com uma frota francesa em Sydney, Nova Escócia, perto de Spanish River, Cape Breton (1781). [22]

No outono de 1775, o General George Washington autorizou alguns capitães de navios a se envolverem em atividades de corsário. Em violação de sua carta (que permitia a tomada de navios, mas não ataques a alvos terrestres), os navios corsários Hancock e Franklin fez um desembarque sem oposição em Charlottetown, Ilha do Príncipe Eduardo, em 17 de novembro de 1775. Três dias depois, eles navegaram para a Nova Escócia e invadiram Canso, na Nova Escócia. Em 1779, os corsários americanos voltaram para Canso e destruíram os pesqueiros, que valiam £ 50.000 por ano para a Grã-Bretanha. [23]

Para se proteger contra tais ataques, o 84º foi guarnecido em fortes ao redor das províncias marítimas. Um desses fortes foi o Fort Howe, [24] na foz da Baía de Fundy no que hoje é Saint John, New Brunswick. Assim que o forte foi construído, foi imediatamente saqueado e queimado pelos corsários americanos (agosto de 1775). [25] Saint John foi invadido mais três vezes no período de dois meses (1777) antes que o 84º pudesse reconstruir o Forte Howe. [26]

Em Newfoundland, os corsários americanos saquearam vários portos, como Chateau Bay (1778) e Twillingate (1779). Ao largo da costa de Newfoundland, o 84º Regimento foi o primeiro a derrotar um corsário americano na Batalha de Newcastle Jane (1776). O Major Small também tinha companhias do 84º Regimento estacionadas em Fort Frederick, Placentia, Newfoundland. [18]

O 84º Regimento também defendeu a Nova Escócia, atacando um corsário americano ao largo de Lunenburg, Nova Escócia (1775). O 84º foi liderado pelo Capitão John MacDonald. Eles embarcaram no navio de guerra quando parte de sua tripulação estava em terra procurando saque. Eles capturaram a tripulação e a levaram para Halifax. [27]

Também houve ataques de Patriotes à Nova Escócia por terra, como a Batalha de Fort Cumberland (também conhecida como Rebelião Eddy). Havia o medo constante de que os patriotas americanos atacassem Halifax, na Nova Escócia, por terra. A ameaça envolvia American Patriots pousando em Windsor e marchando para Halifax. Como resultado, no verão de 1778, o Major John Small mudou a sede do 84º Regimento de Halifax para Fort Edward (Nova Escócia) em Windsor. [18]

Major General John Small, Comandante, 2º Batalhão Editar

Quando o coronel Allan Maclean desembarcou na América, ele descobriu que o major-general John Small já estava mobilizando legalistas americanos das 13 colônias, bem como dos atuais Ontário, Quebec e Canadá Atlântico para criar um Regimento de Terras Altas. [28] Além de conseguir soldados que lutaram no 77º Regimento de Pé (Montgomerie's Highlanders) e 78º Regimento de Pé (Fraser Highlanders), Small estava recrutando soldados do 42º Regimento de Pé (Black Watch), o mesmo regimento em que serviu na Guerra dos Sete Anos. O regimento era conhecido como "Young Royal Highlanders" até se tornar o 84º Regimento. [29]

Small também estava envolvido no recrutamento de novos imigrantes quando eles chegavam dos transportes das Ilhas Britânicas. Em uma ocasião, o transporte George chegou a Nova York com 172 Highlanders imigrantes. O major Small subiu a bordo, explicou a situação e pressionou os homens para o serviço. Small deu-lhes a garantia de que suas famílias seriam bem cuidadas pelo regimento. A mesma coisa aconteceu em 3 de outubro de 1775, com imigrantes escoceses chegando a Nova York no navio Glasgow. Na ocasião, havia 255 imigrantes (homens e suas famílias). Após Small redirecionar os imigrantes para Halifax, o oficial em comando em Halifax relatou que a quantidade de bagagem deles era suficiente para "encher a Igreja de São Paulo". [30]

Batalha de Bunker Hill, Boston Editar

O Major John Small foi contratado para estabelecer os Royal Highland Emigrants em 13 de junho de 1775. Cinco dias depois, em 17 de junho, antes que os recrutas pudessem ser encontrados, Small e vários outros oficiais do 84º Regimento estavam na Batalha de Bunker Hill. [31] Small foi uma figura central na batalha, liderando os 38º e 43º Regimentos na tomada da colina. Junto com três outros membros do 84º Regimento que foram feridos, Small também foi ferido no braço por tiros de canhão. Ele contou sua experiência a John Trumbull, que então pintou sua famosa pintura A morte do General Warren na Batalha de Bunker Hill, em que o Major Small é uma das figuras centrais da pintura. Embora os britânicos tenham vencido a batalha, ela custou muito caro: 226 pessoas morreram e 828 ficaram feridas. [32]

Fort Edward, Quartel-General, 2o Batalhão Edit

Fort Edward (Nova Scotia) em Windsor foi o quartel-general do 84º Regimento no Canadá Atlântico. [18]

Inicialmente, o quartel-general do 84º Regimento ficava em Halifax. Durante os nove anos da guerra, membros do Batalhão serviram em destacamentos em torno de Halifax: o Redoubt & amp Fort Needham (Halifax), Fort Sackville (Bedford), Fort Charlotte (Georges Island (Nova Scotia), Fort Clarence (Eastern Battery, Dartmouth ). O 84º Regimento também estava estacionado em quatro locais ao redor da Baía de Fundy: Fort Edward (Windsor), Fort Anne (Annapolis), Fort Cumberland (Amherst) e Fort Howe (Saint John). Havia também fortes que o 84º estavam estacionados em Cape Sable, Fort Cornwallis (Kentville, Nova Scotia), Sydney Mines Battery (Spanish River, Sydney), [33] Fort Frederick (Placentia, Nfld.). O regimento também estava em Fort Hughes (New Brunswick) ( Oromocto, New Brunswick). Também o 84º Regimento estava estacionado em fortes nas 13 colônias: Brooklyn Heights (Nova York) e Ft. Augusta (Geórgia). [34]

Por causa da ameaça de um ataque terrestre a Halifax por desembarques em Windsor, Small mudou o quartel-general do 84º Regimento de Highland de Halifax para Fort Edward, Windsor (1778). O 84º operou em terra e no mar. Em junho de 1779, por exemplo, o 84º Regimento em Fort Edward capturou doze corsários americanos, que saquearam muitos navios pequenos e habitantes vizinhos na baía de Fundy. Os prisioneiros ficaram feridos. Os prisioneiros quase foram resgatados por outro navio corsário americano, o Statagem, de Marblehead, que tinha uma tripulação de nove. Ao ver o destino dos prisioneiros, no entanto, eles abandonaram a missão de resgate por medo de compartilhar o mesmo destino. Um relatório afirmou: "É de se esperar que, se eles ousarem voltar, não terão melhor sorte." [35]

Small designou o capitão Allan Macdonald, marido da famosa heroína escocesa Flora MacDonald, para ser o comandante do Forte Edward por cinco anos. [36]

Flora MacDonald Edit

O capitão Allan Macdonald lutou na Batalha de Moore's Creek Bridge na Carolina do Norte, onde foi capturado. Ele foi preso por dois anos até uma troca de prisioneiros em 1777, quando foi enviado para Nova York e depois para Fort Edward em Windsor, Nova Scotia. O Major Small deu-lhe o comando do Segundo Batalhão, 84º Regimento, em Fort Edward (Nova Escócia). Ele serviu lá junto com dois de seus filhos, Ranald e Charles, que estavam entre os jovens oficiais do regimento. [36]

Em 1750, aos 28 anos, Flora se casou com o capitão Allan Macdonald de Kingsburgh e, em 1773, juntos, emigraram para o condado de Montgomery (antigo Anson), na Carolina do Norte. Flora participou ativamente do recrutamento de homens para o 84º Regimento das Terras Altas, demonstrando mais uma vez sua resolução. Ela exortou o 84º Regimento em Cross Creek, Carolina do Norte (atual Fayetteville) antes de partirem para lutar na Batalha de Moore's Creek Bridge. Depois que o marido de Flora foi feito prisioneiro, Flora permaneceu escondida enquanto os Patriotas americanos destruíam a plantação de sua família e ela perdeu todos os seus bens. Quando seu marido foi libertado da prisão, ela viajou com ele da Carolina do Norte para Nova York e depois para Fort Edward em Windsor, Nova Escócia, no outono de 1778. Flora ficou na Nova Escócia por apenas um ano em Fort Edward, Windsor . Em 1779, Flora voltou para casa, no Castelo de Dunvegan, na Ilha de Skye, na Escócia. Depois da guerra, em 1784, Allan a seguiu. [37]

Há uma placa em Fort Edward que diz:

“Flora MacDonald: um nome que ficará na história, e se coragem e fidelidade forem virtudes, mencionado com honra” - Samuel Johnson

A reserva de Bonnie Prince Charlie passou o inverno de 1779 aqui com seu marido, o capitão Allan Macdonald do Royal Highland Emigrants, ao retornar para sua antiga casa em Skye. Após o exílio de sua casa na Carolina do Norte. Sua lealdade e devoção em meio a dias difíceis foram contadas por muito tempo em canções e histórias escocesas. [38]

Operações militares - Atlantic Canadá Editar

Batalha de Newcastle Jane, Newfoundland Editar

Em 23 de outubro de 1776, sob o capitão Murdock MacLaine, o 84º Regimento estava na Batalha de Newcastle Jane. [39] Esta batalha foi a primeira em que um navio mercante britânico derrotou um navio corsário americano. O 84º Regimento estava no navio de transporte Newcastle Jane ao largo da costa de Cape Race, Newfoundland. A bordo do navio havia 20.000 libras esterlinas e 3.000 conjuntos de uniformes, muitos dos quais eram para o 84º Regimento. Em 23 de outubro, às 4h00, o corsário americano chegou a 30 metros do Newcastle Jane. O americano tinha dez canhões de carruagem e doze canhões giratórios e o Jane tinha apenas 6 canhões de carruagem de três libras e alguns giros. Os navios abriram fogo uns contra os outros. Depois de um impasse de 24 horas, o 84º Regimento havia superado os americanos, deixando-os com muitos feridos e uma embarcação danificada. Quando a batalha acabou, o Newcastle Jane só faltavam duas rodadas de tiro. [40]

Lachlan Macquarie Editar

Um membro da tripulação na Batalha do Newcastle Jane era um jovem recruta Lachlan Macquarie, que eventualmente se tornou conhecido como "o Pai da Austrália". [41] Macquarie começou sua carreira militar em 1776 aos quatorze anos, quando navegou da Escócia para o Novo Mundo. Os agressores foram repelidos e, seis meses depois, em 9 de abril de 1777, obteve a insígnia no 84º Regimento. Ele cumpriu o dever de guarnição, primeiro na Nova Escócia, depois em Nova York e Charleston. Ele foi comissionado como tenente no 71º Regimento em janeiro de 1781. Em 1784, ele retornou à Escócia de seu posto na Jamaica e foi reduzido a metade do salário. [42]

Cerco de São João (1777) Editar

Machias, Maine, foi usada como base para corsários contra a Nova Escócia e como palco e ponto de abastecimento para ataques de Patriotas americanos em Fort Frederick, Saint John e Fort Cumberland. Em 1776, os corsários de Machias incendiaram completamente o Forte Frederick em Saint John. Em 1777, as forças americanas controlaram Saint John por um breve período. Em resposta, o major John Small liderou pessoalmente uma força para expulsar os americanos. Quando o 84º Regimento desembarcou em Saint John em 30 de junho de 1777, os americanos se retiraram para a floresta. O 84º marchou pela floresta e foi emboscado pelo americano. Doze americanos e um membro do regimento foram mortos. Semanas depois, em 13 de julho de 1777, os corsários americanos atacaram novamente Saint John e foram repelidos pelo 84º. Em agosto de 1777, os americanos atacaram mais uma vez e tiveram sucesso, levando 21 navios carregados de pilhagem. [43] O 84º dia imediatamente começou a substituir o baixo Fort Frederick pelo Fort Howe, que dominava o assentamento. O Fort Howe tornou-se fundamental para restringir a ação dos corsários e foi usado como ponto de reunião para ataques às 13 colônias. [43]

Incursão na Ilha do Cabo Sable, Nova Escócia Editar

Em 4 de setembro de 1778, o 84º Regimento, sob o comando de Ranald MacKinnon, estava no Raid da Ilha do Cabo Sable. Corsários ameaçavam a Ilha do Cabo Sable quando o 84º chegou, surpreenderam o navio durante a noite e o destruíram. Por sua ação agressiva, MacKinnon foi muito elogiado pelo Brigadeiro General Eyre Massey. Em resposta, um de seus amigos, o Capitão MacDonald, escreveu ao Major John Small: "McKinnon ficou constrangido com o elogio do General e solicitou que não fosse incluído no registro, pois ele apenas cumpria seu dever." [44]

Annapolis Royal, Nova Scotia Editar

Em 2 de outubro de 1778, o 84º Regimento, sob o comando do Capitão MacDonald, esteve envolvido na derrota de um corsário americano em Annapolis Royal, Nova Scotia. O capitão MacDonald chegou a Annapolis de navio, apenas para encontrar um grande navio corsário invadindo o porto. Ele destruiu o navio corsário, que tinha dez canhões de carruagem. O capitão MacDonald também chamou a atenção do general Massey, que escreveu que "aprovava altamente" sua conduta. [44]

O capitão Campbell do 84º Regimento, em dezembro de 1778, levou sete homens com ele para resgatar um corsário americano que estava abandonado na Ilha Partridge. Eles devolveram o navio em segurança para Annapolis Royal. [45]

Em 1780, o Rev. Jacob Bailey foi nomeado Vice-Capelão do 84º Regimento. [46]

Em outro ataque a Annapolis Royal em 1781, os prisioneiros foram capturados pela tripulação de um corsário americano e mais tarde libertados em liberdade condicional sob promessa de troca por um prisioneiro americano em Halifax. [47]

Operações militares - Treze Colônias Editar

Maine Edit

Em novembro de 1777, o 84º Regimento se envolveu no ataque a um forte em Castine, Maine, um porto corsário na foz do rio Penobscot. A captura deste porto vital interrompeu seu uso como área de preparação por corsários para atacar a Nova Escócia. [18]

Teatro do sul Editar

Ao deixar Nova York, o Segundo Batalhão, 84º Regimento foi engajado no teatro sul da Guerra Revolucionária Americana. O teatro do sul foi a área central de operações na segunda metade da Guerra Revolucionária Americana. Durante os primeiros três anos do conflito, os principais encontros militares foram no norte, com foco em campanhas nas cidades de Boston, Nova York e Filadélfia. No início da guerra, o 2 / 84º Regimento estava envolvido na tentativa de tomar Charleston, na Carolina do Sul, na Batalha da Ilha de Sullivan. Em 24 de junho, as empresas do 2 / 84º Regimento de Boston e Nova York deixaram seus portos para descer no Fort Sullivan (mais tarde renomeado Fort Moultrie), na Carolina do Sul. Quatro dias depois, o 84º Regimento de Nova York, em 28 de junho de 1776, se envolveu na Batalha de Fort Sullivan (ver Fort Moultrie National Monument). A frota bombardeou o forte e sofreu danos excessivos com o retorno do fogo. O ataque foi um fracasso 38 do regimento morreu. [48]

O 2 / 84º Regimento esteve envolvido em uma escaramuça em Wiboo Swamp, Savannah River, Clarendon County, South Carolina (1781). 3 do 84º Regimento foram mortos, assim como cerca de 18 patriotas americanos. [49] [50]

O 2 / 84º Regimento foi então envolvido na proteção da fortaleza legalista de Augusta, Geórgia. A primeira escaramuça foi em Wiggin's Hill, Savannah River, Geórgia, em abril de 1781. [51] Os Patriots surpreenderam o regimento em Wiggin's Hill, mas foram repelidos duas vezes. O 84º então fez prisioneiros, matou muitos deles e incendiou suas casas. O capitão McKinnon tentou impedir o que considerava seus próprios regimentos "barbárie". O 84º também esteve envolvido na tentativa de proteger o Fort Motte no Cerco de Fort Motte, Geórgia (1781). O 2 / 84º Regimento foi forçado a render-se em 12 de maio e foi feito prisioneiro. [52]

Cerco de Noventa e Seis, Carolina do Sul Editar

Em 18 de junho de 1781, o 2 / 84º Regimento foi envolvido no alívio dos legalistas americanos sitiados por patriotas americanos no cerco de Noventa e seis. Os patriotas americanos estavam tentando derrotar os legalistas americanos que estavam presos em uma fortificação de terra conhecida como Star Fort. Os patriotas americanos tinham 1.000 soldados em um cerco contra os 550 legalistas americanos. No 28º dia do cerco, Lord Rawdon, junto com o 2 / 84º Regimento chegou. Os patriotas americanos recuaram e os que estavam no Star Fort foram salvos, embora Ninety-Six tenha sido abandonado pelos britânicos não muito depois. [53]

John Bond Edit

Um dos que pertenciam à Milícia Ninety-Six era o capitão John Bond. Junto com o resto dos legalistas americanos de Ninety-Six, John Bond finalmente deixou a Carolina do Sul e se estabeleceu em Rawdon Township (ver Rawdon, Nova Scotia), o lugar recebendo o nome de Lord Rawdon que os salvou no cerco. [54]

Batalha de Eutaw Springs Editar

Os patriotas americanos atacaram Orangeburg, na Carolina do Sul, com 2.600 soldados. Os 2 / 84º faziam parte de uma força britânica de 2.300, que interrompeu seu avanço na Batalha de Eutaw Springs em 8 de setembro de 1781. [52] Na batalha, o 84º Regimento perdeu 6 mortos, 22 feridos e 2 desaparecidos. [55]

Conflito em Fair Lawn Edit

Nos últimos meses da guerra, o Segundo Batalhão, 84º Regimento, defendendo Charleston, esteve envolvido no Skirmish em Fair Lawn (também conhecido como Fair Lawn Barony, Colleton House, "abaixo de Monck's Corner"). O batalhão estava na área do hospital onde muitos de seus colegas soldados feridos estavam localizados. Eles também estavam estacionados em uma fortificação perto da ponte de Baggen, que levava diretamente a Charleston. Eles tinham poucos soldados na área e o capitão responsável foi forçado a escolher entre proteger o hospital ou proteger a ponte que levava a Charleston. Ele escolheu proteger a ponte. Em 17 de novembro de 1781, os patriotas americanos atacaram o hospital indefeso, saqueando-o e queimando o prédio. A maioria dos feridos foi arrastada para as florestas e pântanos circundantes, onde morreram por exposição e maus-tratos. [56]

Após este incidente, o 2 / 84º Regimento foi para a Geórgia, Flórida e Jamaica. Na Geórgia, eles estiveram envolvidos na escaramuça no rio Ogeechee, no condado de Burke (1781). [57] [58]

O 84º foi o único regimento das Terras Altas a manter e usar seus tradicionais mantas e espadas uniformes das montanhas, durante a guerra. O General Gage especificou que a nova unidade militar seria "armada com vestimenta e equipada da mesma maneira com o Regimento Real das Terras Altas de Sua Majestade", indicando que eles usariam o uniforme militar escocês das Terras Altas, ao contrário dos uniformes mais convencionais usados ​​por outras unidades provinciais. [59]

O uniforme original do primeiro batalhão era o uniforme provincial verde, consistindo em um casaco verde longo, chapéu preto com três pontas, calça e meia cinza. Eles estavam armados com os excedentes dos mosquetes do King's Long Land da Guerra dos Sete Anos. No segundo trimestre de 1777, eles receberam kilts, xadrez cintado (ou talvez ambos) no assentamento do governo e os usaram com seus casacos provinciais verdes (que foram encurtados) até que estes se desgastaram, quando foram substituídos pelos casacos vermelhos de regulares. [60]

O Segundo Batalhão não teve que providenciar seus próprios uniformes até que o governador local recebeu a ordem formal de vesti-los e armá-los no outono de 1776. Após sua incorporação ao Estabelecimento Regular, seu uniforme foi padronizado para o curto Highland- casaco de estilo com revestimentos azuis escuros e reversos brancos. Presume-se que a renda do regimento era de fita branca, com um verme azul entre dois vermelhos: mas essa descrição é baseada nas práticas posteriores do 84º Regimento. Nenhuma descrição contemporânea da renda regimental foi descoberta. Os botões tinham uma das três variações, todas incorporando o "84º" com o enfeite costumeiro das Terras Altas. Os homens receberam xadrezes ou kilts do governo. Cada homem também recebeu um boné, várias camisas e um colete de lã branca com botões marcados pelo regimento. (Além disso, cada homem recebeu dois pares de calças com polainas, uma de linho para o verão e outra de lã azul para o inverno. - esta afirmação não é corroborada por documentação). Companies in the South Theatre were issued brown wool gaitored trousers for the winter instead of blue wool. Officers' uniforms used gold lace and buttons. In winter, it was common for the men to wear trousers and plaids simultaneously. Members stationed in Canada were issued a wool waistcoat, a blanket coat, overshoes, a watch cape, mittens, ice creepers, and snow shoes. [61]

After the American Revolution, the soldiers of the 2nd Battalion, 84th Regiment became part of the migration of the United Empire Loyalists to Nova Scotia. The 2/84th Regiment evacuated Charlotte, North Carolina, and went to New York in April 1782 and then on to Halifax, arriving on October 24, 1782. [62] Major Small followed them, arriving on the frigate Jason on November 12. [63] Small arrived with a number of the settlers that the 84th Regiment had saved in the Siege of Ninety-Six. These men founded Rawdon Township (currently, Rawdon, Nova Scotia, and area). [64] After the 2nd Battalion was disbanded at the headquarters for the 84th Regiment Fort Edward (Nova Scotia) on October 10, 1783, many of the 84th Regiment settled beside Rawdon Township in the newly formed Douglas Township (Kennetcook, Nova Scotia and surrounding area). [65]

Major Small purchased Malachy Salter's grant (present day Selma, Nova Scotia) and built a manor house on an estate which he named "Selma", after which the community is named. [66] Small had hoped to establish the Feudal Barony of Straloch in Selma but his last will and testament was not honoured. [67]

The First battalion settled mainly in Kingston, Ontario. A few took passage, instead, to Britain. This unit, the "old 84th", was completely disbanded and has no direct descendants in the military of the modern United Kingdom. Later regiments to bear this number (84th (York and Lancaster) Regiment of Foot) have no historical nor traditional connection to it. However, the Canadian Army considers the 84th to be continued in the Stormont, Dundas and Glengarry Highlanders. [68]

84th Regiment soldiers in Hants County, Nova Scotia Edit

The following is a list of the soldiers from the 84th Regiment who settled in Douglas Township in Hants County, Nova Scotia, after the war:

    , Kennetcook, Nova Scotia
  • Abraham Blois, Gore, Nova Scotia
  • Alexander Cameron, Minasville, Nova Scotia
  • James Dalrymple, Kennetcook, Nova Scotia
  • Lewis Ettinger, Kennetcook, Nova Scotia
  • Christian Hennigar, Kennetcook, Nova Scotia
  • Thomas Laffin, Kennetcook, Nova Scotia

For list of the 84th Regiment soldiers who settled in the Douglas Township see Duncanson, John (1989). Rawdon and Douglas: Two Loyalists Townships in Nova Scotia. Ontario: Mika Publishing Company.


Eutaw Springs

Eutaw Springs representou oportunidades perdidas para ambos os exércitos. As forças americanas estavam desesperadas por uma vitória em 1781, e o general Nathanael Greene finalmente tinha o terreno de sua própria escolha. As forças britânicas sob o comando do coronel Alexander Stewart estavam igualmente determinadas a manter um controle sólido sobre o território que ainda mantinham no low country da Carolina do Sul.

Em uma das batalhas mais sangrentas da guerra, ambos os exércitos sofreram pesadas baixas com cada lado perdendo quase 20 por cento de seus soldados. Nenhum dos lados venceu a batalha árdua, e as controvérsias atormentaram ambos os lados no rescaldo. Dunkerly e Boland analisam o engajamento e seu significado no contexto dos meses de encerramento da guerra, estudam a geologia e o cenário da área e recontam a ação usando fontes primárias, com o auxílio de arqueologia recente.

Robert M. Dunkerly é um historiador, autor premiado e palestrante que está ativamente envolvido na preservação e pesquisa histórica. Ele obteve um B.A. em história pelo St. Vincent College e um M.A. em preservação histórica pela Middle Tennessee State University. Sua pesquisa inclui arqueologia, vida colonial, história militar e comemoração histórica. Dunkerly ministrou cursos no Central Virginia Community College, na University of Richmond e na Virginia Historical Society. Atualmente é guarda florestal no Richmond National Battlefield Park.

Irene Boland (1941-2016), professor emérito de geologia na Winthrop University, obteve um B.A. em química e biologia e um M.A.T. em química pela Winthrop University e foi um tecnólogo médico certificado. Após uma carreira gratificante como tecnólogo e instrutor de tecnologia médica, Boland ensinou química em tempo parcial na Winthrop University enquanto ganhava o M.A. e o Ph.D. graduado em geologia pela University of South Carolina. Como professora de geologia na Winthrop, Boland recebeu o Prêmio Kinard de Excelência em Ensino em 2012 e, em 2014, estabeleceu o Charles A. Boland e Irene Brunson Boland Student Research Assistantship Endowment.

"um livro bem elaborado, fácil de ler e que aproveita bem o material gráfico. Eutaw Springs é recomendado."-The Journal of America's Military Past

"Este é um estudo há muito esperado da Batalha de Eutaw Springs, a última força principal do envolvimento de Nathanael Greene na campanha do Sul. Com base em uma riqueza de recursos, incluindo novas pesquisas, arqueologia e documentos de pensão, os autores criaram um relato de fácil leitura dos 8 Batalha de setembro de 1781 que levou os britânicos à costa. Para os estudantes da Guerra Revolucionária, esta é uma leitura obrigatória porque muito foco foi direcionado a Yorktown, onde os britânicos abandonaram um exército em vez da guerra mais móvel no Sul, onde a guerra foi finalmente ganhou ao vencer os britânicos. "- Lawrence Babits, George Washington Distinguished Professor of History, East Carolina University

"Dunkerly e Boland produziram um relato sólido e bem escrito de Eutaw Springs que preenche uma lacuna na história das campanhas do sul e fornece uma base sólida para estudos adicionais desta importante batalha."Revisão histórica da Carolina do Norte

"uma análise muito boa do ambiente político, militar e físico, com alguns perfis de várias pessoas interessantes, principalmente Nathanael Greene, depois de Washington, o general americano mais importante da guerra, embora nunca tenha vencido uma batalha." -Revisão do Simpósio de Assuntos Militares de Nova York


Batalha de Eutaw Springs

em seguida, carregado com baionetas. Vários pequenos canhões sustentavam os dois exércitos nas linhas de frente. Pequenas reservas de forças de cavalaria esperavam para explorar avanços ou cobrir retiradas. Enquanto montados, os cavaleiros lutaram principalmente com sabres pesados. Essas táticas e armas garantiram que as forças opostas em Eutaw Springs entrassem em confronto próximo e mortal.

Tópicos Este marcador histórico está listado nestas listas de tópicos: Patriots & Patriotism & bull War, US Revolutionary. Uma data histórica significativa para esta entrada é 8 de setembro de 1869.

Localização. 33 e 24,44 e # 8242 N, 80 e 17,92 e # 8242 W. Marker está em Eutawville, Carolina do Sul, no condado de Orangeburg. O marcador está na Old Number Six Highway (State Highway 6/45) perto da Fredcon Road, à esquerda ao viajar para o leste. Localizado no Parque do Campo de Batalha. Toque para ver o mapa. O marcador está nesta área dos correios: Eutawville SC 29048, Estados Unidos da América. Toque para obter instruções.

Outros marcadores próximos. Pelo menos 8 outros marcadores estão dentro de 4 milhas deste marcador, medidos em linha reta. Eutaw Springs Battlefield Park (a poucos passos deste marcador) Batalha de Eutaw (a poucos passos deste marcador) um marco diferente também denominado Batalha de Eutaw Springs (a poucos passos deste marcador) um marco diferente também denominado Batalha de Eutaw Springs ( a poucos passos deste marcador) Sepultura de Majoribanks / Northampton (a uma curta distância deste marcador) Santee Limestone / Limestone and Marl Formations

(cerca de 300 pés de distância, medido em uma linha direta) Eutawville (aproximadamente 2 milhas de distância) Condado de Berkeley (aproximadamente 6,1 milhas de distância). Toque para obter uma lista e um mapa de todos os marcadores em Eutawville.

A respeito da Batalha de Eutaw Springs. "Eutaw" é a palavra Cherokee para "pinheiro".

Veja também . . . A Guerra Revolucionária Americana. A batalha de Eutaw Springs (Enviado em 21 de agosto de 2009, por Mike Stroud de Bluffton, Carolina do Sul.)


09/08/1781 – Battles – Battle of Eutaw Springs in South Carolina

In early 1781 Major General Nathanael Greene of the Continental Army began a campaign to end British control over the South Carolina backcountry. His first major objective was the capture of the British controlled village of Ninety Six. On May 22, 1781, Greene laid siege to the fortified village. After nearly a month Greene became aware that reinforcements under Lord Rawdon were approaching from Charleston. Forces under Greene’s command assaulted Ninety-Six on June 18, but were repelled. To avoid facing the force commanded by Rawdon, Greene retreated toward Charlotte, North Carolina. Rawdon pursued Greene for several days, but was compelled to abandon the pursuit because his men were exhausted by days of forced marching and he lacked sufficient supplies to continue. Despite the fact Ninety Six was the only remaining inland British outpost after the fall of Augusta, Georgia, Rawdon decided to burn and abandon it, and withdrew the garrison to Charleston. In poor health, Rawdon sailed for England in late August, leaving Charleston under the command of Colonel Alexander Stewart.

After Rawdon’s departure, Greene turned his army around and headed toward Charleston. His men were also exhausted by many days of marching and combat, so he set up camp above the Santee River to allow his main force to rest, while several detachments continued to harass the British as they withdrew toward Charleston. On August 22, his force prepared to face the remaining British forces garrisoned in Charleston.

Colonel Stewart led a force of 2,000 men from Charleston’s British garrison in search of Greene’s army. The force camped at Eutaw Springs, about 10 kilometers east of present-day Eutawville, then in Charleston District (but both now in Orangeburg County).

At 4:00 AM on 8 September 1781, Greene’s army began marching from Burdall’s Plantation in the direction of Eutaw Springs, which was distant. In the van were Lieutenant Colonel Henry Lee’s Legion plus 73 infantry and 72 cavalry of South Carolina State troops under Lieutenant Colonel John Henderson and Captain Wade Hampton, respectively. Next in the marching column came 40 cavalry and 200 infantry under Brigadier General Francis Marion, followed by 150 North Carolina militia under Colonel Francis marquis de Malmedy and 307 South Carolina militia led by Colonel Andrew Pickens. Continental Army troops formed the center and rear of Greene’s column. These were led by three green North Carolina battalions under Brigadier General Jethro Sumner. Major John Armstrong led a mounted contingent while Lieutenant Colonel John Baptista Ashe and Major Reading Blount directed the foot soldiers. Ashe and Blount served with the 1st North Carolina Regiment, while Armstrong belonged to the 4th North Carolina Regiment.

Two Virginia battalions under Lieutenant Colonel Richard Campbell and Major Smith Snead were trailed by Colonel Otho Holland Williams’ two Maryland battalions under Lieutenant Colonel John Eager Howard and Major Henry Hardman. Lieutenant Colonel William Washington’s mounted men and Captain Robert Kirkwood’s Delaware infantry companies formed the tail of the column. Greene’s force had two 3-pound grasshopper guns under Captain-Lieutenant William Gaines and two 6-pound cannons directed by Captain William Brown. All told, Greene had 1,256 Continental infantry and 300 cavalry, the horsemen mostly divided between Lee and Washington. Lee’s cavalry were led by Major Joseph Egleston and his infantry by Captain Rudolph. Greene’s army numbered 2,400 men of whom 200 were left behind to guard the baggage train.

Stewart had between 1,800 and 2,000 troops on hand. His British regulars were the 3rd Foot, 63rd Foot, 64th Foot, and John Marjoribanks’ 300-man flank battalion. The last-named unit was made up of the converged flank companies of the 3rd, 19th, and 30th Foot. The regulars were supported by two American loyalist contingents. These units were John Harris Cruger’s regular battalion of DeLancey’s Brigade and John Coffin’s South Carolina Tories, which consisted of about 150 regular infantry and 50 militia cavalry. Stewart’s artillery consisted of two 6-pound, one 4-pound, and one 3-pound cannons plus a swivel gun.

A fim de compensar a falta de pão em seus suprimentos, Stewart enviava grupos de caça-níqueis todas as manhãs para desenterrar inhames, desarmado, exceto por um pequeno destacamento de guarda. Por volta das 8h do dia 8 de setembro, o capitão John Coffin e um destacamento de sua cavalaria legalista da Carolina do Sul estavam fazendo um reconhecimento à frente da força principal de Stewart quando ele encontrou um grupo de batedores americanos montado sob o comando do major John Armstrong. Coffin perseguiu Armstrong, que o levou a uma emboscada. Atacado pelo 2º Corpo de Partidários de Henry Lee, Coffin escapou, mas deixou 4 ou 5 de seus homens mortos e mais 40 capturados. Os americanos então encontraram as forrageadoras de Stewart e capturaram cerca de 400 delas.

Greene’s force, with around 2,200 men, now approached Stewart’s camp while Stewart, warned by Coffin, deployed his force. When the Americans realized they were approaching the British force, they formed two lines, with the militia in the front line and the North Carolina, Maryland and Virginia regulars in the second line. The British charged the American position and broke the center of the American forces’ first line. Os Continentals da Carolina do Norte na segunda linha reforçaram a primeira, e tiveram sucesso temporariamente até serem quebrados por uma carga britânica. Os regulares da Virgínia e de Maryland, então, ajudaram seus camaradas. Este ataque parou o avanço britânico e os britânicos começaram a recuar em desordem.

Os americanos perseguiram os soldados britânicos em retirada para o campo britânico, onde a maioria dos americanos parou para saquear os suprimentos britânicos. A situação agora mudou novamente. No canto nordeste do acampamento havia uma forte casa de tijolos defendida por um batalhão britânico comandado pelo major John Majoribanks. Este batalhão havia repelido um ataque anterior da cavalaria americana antes de cair de volta para a casa. Um ataque americano à casa falhou e o Majoribanks conseguiu restaurar a ordem ao resto das forças britânicas. As forças britânicas lançaram um contra-ataque e expulsaram as forças americanas do campo britânico. Um batalhão americano foi capaz de atrasar o avanço britânico o suficiente para permitir que o exército americano recuasse em boa ordem.

The British casualty return stated the loss as 85 killed, 351 wounded and 257 missing. However, Greene reported that he had captured 500 prisoners, including 70 wounded. When Stewart moved camp on September 9, he left 54 of his wounded behind with a surgeon to attend them. These men were included in Stewart’s casualty report under the category “wounded” but the remaining 16 wounded captured by Greene would have been returned as “missing”. The disparity between Stewart’s report of 257 missing and Greene’s figure of 500 prisoners may be due to Stewart regarding the capture of his foraging party as a separate engagement and not including their losses in his casualty return for the battle. Including the loss of the foraging party, and counting the 54 wounded men whom Stewart decided to leave behind on September 9 in the “wounded prisoners” category instead of as “wounded”, this gives total British casualties of 85 killed, 297 wounded, 70 wounded prisoners and 430 other prisoners.

There were three successive versions of the American casualty return. The first, compiled soon after the battle, gave 251 killed, 367 wounded and 74 missing. The second, compiled somewhat later and published by the Continental Congress, reduced the losses to 138 killed, 375 wounded and 41 missing. The third and final revision, compiled on September 25, 1781, arrived at figures of 119 killed, 382 wounded and 78 missing. The British took 60 prisoners, including the wounded Colonel William Washington, and two artillery guns.

A afirmação de vários historiadores de que os britânicos venceram a batalha é contestada por Christine Swager em seu livro The Valiant Died: The Battle of Eutaw Springs em 8 de setembro de 1781. O livro argumenta que, primeiro, no final da batalha, os britânicos sustentaram a maioria, mas não a totalidade, do campo onde a batalha principal ocorreu. Greene segurou parte do campo onde a escaramuça inicial se espalhou da floresta para as clareiras. Swager also argues that Greene meant to re-engage the enemy on the following day, but was prevented from doing so because the excessively wet weather conditions negated much of his firepower.

Ambos os exércitos não deixaram a vizinhança por pelo menos um dia inteiro após a batalha. Quando Greene se retirou, ele deixou um piquete forte para se opor a um possível avanço britânico, enquanto Stewart retirou o restante de sua força em direção a Charleston. His rear was apparently under constant fire at least until meeting with reinforcements near Moncks Corner.

Despite winning a tactical victory, the British lost strategically. Their inability to stop Greene’s continuing operations forced them to abandon most of their conquests in the South, leaving them in control of a small number of isolated enclaves at Wilmington, Charleston, and Savannah. The British attempt to pacify the South with Loyalist support had failed even before Cornwallis surrendered at Yorktown.

Lord Edward Fitzgerald, que mais tarde se tornou famoso como um rebelde da Irlanda Unida, serviu como oficial britânico na batalha e foi gravemente ferido.

The State Song of South Carolina contains the line “Point to Eutaw’s Battle Bed” in reference to this battle.


Batalha de Eutaw Springs

Colonel Alexander Stewart , Major John Marjoribanks ( pronounced "Marshbanks") led a battalion of elete troops that held the right flank of Stewart's British army. From a dense oak thicket, Marjoribanks' men held their position against repeated attacks until they were driven back to a palisade fence around the plantation house. From there they continued to inflict heavy casualties on the attacking Americans. When the Americans halted their charge to loot the British camp, Marjoribanks led his battalion in a counterattack that helped turn the tide of battle. But the veteran officer had little chance to savor the victory-he died a month later.

Colonel Alexander Stewart
Major John Marjoribanks ( pronounced "Marshbanks") led a battalion of elete troops that held the right flank of Stewart's British army. From a dense oak thicket, Marjoribanks' men held their position against repeated attacks until they were driven back to a palisade fence around the plantation house. From there they continued to inflict heavy casualties on the attacking Americans. When the Americans halted their charge to loot the British camp, Marjoribanks led his battalion in a counterattack that helped turn the tide of battle. But the veteran officer had little chance to savor the victory-he died a month later.

Tópicos This historical marker is listed in these topic lists: Military &bull War, US Revolutionary.

Localização. 33° 24.449′ N, 80° 17.915′ W. Marker is in Eutawville, South Carolina, in Orangeburg County. Marker can be reached from Old Number Six Highway ( SC-6, SC-45) near Fredcon Road, on the left when traveling east. Toque para ver o mapa. O marcador está nesta área dos correios: Eutawville SC 29048, Estados Unidos da América. Toque para obter instruções.

Outros marcadores próximos. Pelo menos 8 outros marcadores estão dentro de 4 milhas deste marcador, medidos em linha reta. Battle of Eutaw (a few steps from this marker) Grave of Major Majoribanks / Northampton

(a few steps from this marker) a different marker also named Battle of Eutaw Springs (a few steps from this marker) a different marker also named Battle of Eutaw Springs (a few steps from this marker) Eutaw Springs Battlefield Park (within shouting distance of this marker) Santee Limestone / Limestone and Marl Formations (within shouting distance of this marker) Eutawville (approx. 2 miles away) Berkeley County (approx. 3.8 miles away). Toque para obter uma lista e um mapa de todos os marcadores em Eutawville.

A respeito da Batalha de Eutaw Springs. On the grounds is the tomb of British Commander Major John Majoribanks (sic), noted for outstanding leadership during the battle. Listed in the National Register June 5, 1970.
(South Carolina Department of Archives and History)

The Silver Whistle presents its Roll of Honour: war graves of and memorials to British servicemen killed in the American War of Independence
Major John Marjoribanks,
19th Regiment,
d. 1781
Eutaw Springs, SC
John A. Morrow informs us that this veteran Scots officer is buried under an old marble memorial stone and is well-marked.
João

Marjoribanks was mortally wounded in the battle on 8 September 1781, and died at Wantoot Plantation, where he was buried on 23 October. However, just as the battlefield of Eutaw Springs is now under Lake Marion, so is Wantoot under Lake Moultrie. According to Daniel Barefoot's Touring South Carolina's Revolutionary War Sites, the Major's grave was moved to its present location in 1941. But this probably refers to the slab, rather than to the actual remains.
The memorial is a recumbent slab resting on a brick vault, with a signboard nearby.

Veja também . . . Battle of Eutaw Springs, Wikipedia entry. At the north-east corner of the camp was a strong brick house now defended by the remaining British battalion, commanded by Major John Majoribanks. Este batalhão havia expulsado a cavalaria americana antes de voltar para a casa de tijolos. Attempts to capture the house failed, and Majoribanks was able to restore some order to the rest of the British force. With the newly restored force he was able to drive the Americans from the British camp. One American battalion held up and delayed the British advance, allowing the American army to retreat without suffering a rout. (Submitted on August 31, 2009, by Mike Stroud of Bluffton, South Carolina.)


Battle of Eutaw Springs, 8 September 1781 - History

Emerging Revolutionary War is pleased to welcome back historian Bert Dunkerly, who is the co-author (with Irene B. Boland) of the upcoming book “Eutaw Springs The Final Battle of the American Revolution’s Southern Campaign” slated to be released this month.

The weather was warm and the men had been marching for days, but their morale was high. They had been through a lot recently: caught off guard and defeated at Hobkirk’s Hill, a month of grueling siege work – and for naught, at Ninety Six. Not to mention the engagements that many of them had fought in previously: Kings Mountain, Cowpens, Guilford Courthouse, and dozens of smaller battles.

Yet the army that General Nathanael Greene led forward on the morning of September 8, 1781, was confident and ready to come to grips with its adversary. Everyone from the private in the ranks on up to the commanding general knew that ahead lay an opportunity.

Battles in the Revolution were, in fact, rare opportunities for commanders. Engagements were the short, pulse-pounding events that broke up the monotony of marching and maneuvering. An army spent most of its time in garrison, in camp, or on the road. In battle the infrequent opportunity came to crush an opponent and influence the outcome of a campaign, or the war. These chances were few and far between.

“Eutaw Springs” by Benson Lossing

Both commanders at Eutaw Springs appreciated this fact. General Nathanael Greene’s forces had experienced a series of close calls at Guilford Courthouse, Ninety Six, and Hobkirk’s Hill. The American army fought well in all of these engagements, save Hobkirk’s Hill, yet they met defeat in every one. Greene hoped Eutaw Springs would put the finishing touches on his South Carolina campaign, and end it with a clear cut victory.[i]

Eutaw Springs was a rare chance for Greene to pick the time and place of engagement, array his forces to his choosing, and initiate the battle, and control its empo. It was the only set engagement of the campaign, other than Guilford Courthouse, in which Greene chose the ground and initiated the battle. Commanders do not often have this luxury, and Greene earnestly hoped to make the most of it.

In a letter to General Washington, Greene summed up his army’s situation, “. . . the probability of not being able to keep it long in the field, and the difficulty of subsisting men in this exhausted county, together with the great advantages which would result from the action if we were victorious and the injury little if we were otherwise, determin’d me to bring on an action as soon as possible.”[ii]

There was no less at stake for Colonel Alexander Stewart and his forces. Once Lord Cornwallis took the British field army through North Carolina and into Virginia, a limited number of British and German troops were left to control South Carolina. British commanders hoped to rely on local Loyalist militia to augment their small number of regular troops whenever certain points were threatened, but this system was unreliable. With a mixed force scrapped together from Loyalist militia and British regulars, Stewart hoped to stop Greene’s advance across the state and stabilize the strategic situation.

Greene caught the British off guard, dispersing an early morning rooting party that had been sent out to gather supplies before the heat of the day set in. A little farther on, the Americans deployed for their attack. Stewart was caught totally off guard. The Americans attacked in three waves: first militia, then North Carolina state troops, and finally the Continental veterans from Virginia and Maryland.

The British and Loyalists held them off for hours until the last attack swept them back upon their camp. Here, near the springs and amid the tents of the camp, the American attack stalled in front of a fortified brick house.

Major Henry Sheridan of the Loyalist New York Volunteers led the defense here at this crucial moment. The official regimental history of the 64th Regiment recounts that, “. . . Major Sheridan, with the New York Volunteers and some others, had thrown themselves into the brick house, where they were attacked by some of the State Troops, and the Delawares. Lee, who had been successful on the right, pushed forward with the Legion Infantry and got possession of the two British guns. These were brought up against the house, also the two American pieces from their second line, but no impression could be made on the walls, and the fire from the windows being most destructive, nearly all of the artillerymen fell beside their guns.”[iii]

“Lighthorse Harry” Lee recalled that, “As soon as we entered the field, Sheridan began to fire from the brick house, followed closely upon the enemy still entering it, hoping to force his say before the door could be barred. One of our soldiers actually got half way in, and for some minutes a struggle of strength took place- Manning pressing him in, and Sheridan forcing him out. The latter prevailed, and the door was closed.”

Eutaw Springs (author collection)

Major Sheridan, in charge of defending the house, made a stand in and around the structure that saved the British army, not unlike that at the Chew House during the Battle of Germantown, Pennsylvania in 1777. Unable to dislodge the British defenders, the pursuing Americans focused their efforts on the house, allowing the rest of the British to regroup and re-enter the battle. A routed, retreating force needs a secure rallying point, and the Brick House served exactly that purpose. Nothing is harder in combat than to stop the momentum of a panicked unit: Sheridan managed to do just that.

A cavalry charge led by Lieutenant Colonel William Washington (cousin of the commanding general) met with disaster, and Washington was wounded and taken prisoner. Washington’s command lost about 29 of the 80-100 who made the attack.

Sensing his army was spent, Greene pulled back. Controversy has raged ever since, with looting the captured British camp being blamed for the American failure. Greene’s army lost 555 of 2,080 engaged, while Stuart lost 692 of 1,396 present.

After the battle is when things get interesting. William Johnson published a book in 1822 about General Greene, which he accused Lee of not being in position to support the army.

The younger Lee blamed Johnson for creating the myth of looting the British camp as the reason for the American withdrawal. Lee Jr. writes that Greene’s reference to a “little incident” that prevented him from gaining complete victory was not in fact the pillaging of the camp, but the confusion among the cavalry at the battle’s climax.[iv]

Johnson wrote, with typical Victorian flair, that the camp “. . . presented many objects to tempt a thirsty, naked and fatigued soldiery . . . ” It appears that later writers, like Lee Jr. and Johnson, placed greater blame on the looting for the American retreat than did the participants.[v]

Colonel Lee could not be found at the time because he was with his Legion Infantry, thus the cavalry charged without him and was repulsed. In the meantime, Lee arrived and ascertained that the time was now to charge the British. Upon organizing the assault, he discovered Eggleston’s troop was not up and ready, having already assaulted and failed.

The younger Lee argues that Johnson has blamed Lee for not being in place at the time the order arrived from Greene. The commanding General, as Lee Jr. points out, never indicated any disappointment in Lee’s conduct during the battle. Pendleton did not make enough of an effort to find the Colonel in Henry Lee Jr.’s assessment. He claims Johnson’s work to be “sinister and sabulous purpose of malice.”[vi]

This is significant, for only two participants mention the looting. Johnson’s work, published in 1822, affected every understanding of the battle written since then. Lee claims that the taking and plundering of the British camp, rather than being seen as a breakdown in discipline, should be viewed as the proof of American victory. He writes, “. . . the possession and pillage of the enemy’s camp is the best proof, generally, of their defeat nor has its plunder, after a hard fought action, been deemed either disgraceful or disastrous.”[vii] In short, it seems the looting occurred, but was not a significant factor in changing the battle’s momentum.

[i] Conrad, Papers of Nathanael Greene, 256-7, 10.

[ii] Saberton, The Cornwallis Papers, Vol. VI, 7.

[v] Schenck, North Carolina 1780-1781, 459 Johnson, Sketches of the Life and Correspondence of Nathanael Greene, 229, 230.


Assista o vídeo: Bitwa nad Bzurą 1939 (Pode 2022).