Novo

A ligação entre racismo e depressão

A ligação entre racismo e depressão


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Vários estudos mostraram uma ligação entre discriminação racial e depressão. As vítimas de racismo não apenas sofrem crises de depressão, mas também tentativas de suicídio. O fato de o tratamento psiquiátrico permanecer tabu em muitas comunidades de cor e de o próprio setor de saúde ser considerado racista exacerba o problema. À medida que aumenta a conscientização sobre o vínculo entre racismo e depressão, membros de grupos marginalizados podem tomar medidas para impedir que a discriminação prejudique sua saúde mental.

Racismo e Depressão: Um Efeito Causal

"Discriminação racial e processo de estresse", um estudo de 2009 publicado no Journal of Personality and Social Psychology, descobriu que existe uma ligação clara entre racismo e depressão. Para o estudo, um grupo de pesquisadores reuniu as anotações diárias de 174 afro-americanos que obtiveram doutorado ou estavam cursando esses cursos. A cada dia, os negros que participavam do estudo eram solicitados a registrar casos de racismo, eventos negativos da vida em geral e sinais de ansiedade e depressão, de acordo com a revista Pacific-Standard.

Os participantes do estudo relataram incidências de discriminação racial durante 26% do total de dias de estudo, como serem ignorados, negados serviços ou negligenciados. Os pesquisadores descobriram que quando os participantes sofreram episódios de racismo percebido "eles relataram níveis mais altos de afeto, ansiedade e depressão negativos".

O estudo de 2009 está longe de ser o único estudo a estabelecer uma ligação entre racismo e depressão. Estudos realizados em 1993 e 1996 descobriram que, quando membros de grupos minoritários étnicos compõem pequenas porções de uma população em uma área, é mais provável que sofram de doença mental. Isso é verdade não apenas nos Estados Unidos, mas também no Reino Unido.

Dois estudos britânicos divulgados em 2001 descobriram que as minorias que vivem nos bairros mais brancos de Londres têm duas vezes mais chances de sofrer de psicose do que seus pares em diversas comunidades. Outro estudo britânico descobriu que as minorias eram mais propensas a tentar o suicídio se vivessem em áreas sem diversidade étnica. Esses estudos foram mencionados na Quarta Pesquisa Nacional de Minorias Étnicas do Reino Unido, publicada no British Journal of Psychiatry em 2002.

A pesquisa nacional mediu as experiências que 5.196 pessoas de origem caribenha, africana e asiática tiveram com discriminação racial no ano passado. Os pesquisadores descobriram que os participantes do estudo que sofreram abuso verbal tinham três vezes mais chances de sofrer de depressão ou psicose. Enquanto isso, os participantes que sofreram um ataque racista tiveram quase três vezes mais chances de sofrer de depressão e cinco vezes mais chances de sofrer de psicose. Indivíduos que relataram ter empregadores racistas tiveram uma probabilidade 1,6 vezes maior de sofrer de uma psicose.

Altas taxas de suicídio entre mulheres asiático-americanas

As mulheres asiático-americanas são particularmente propensas a depressão e suicídio. O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA listou a depressão como a segunda principal causa de morte de mulheres asiáticas americanas e das ilhas do Pacífico entre as idades de 15 e 24, informou a PBS. Além disso, as mulheres americanas asiáticas têm há muito tempo a maior taxa de suicídio de outras mulheres da mesma idade. As mulheres americanas asiáticas com 65 anos ou mais também apresentam as maiores taxas de suicídio para mulheres idosas.

Para os imigrantes em particular, isolamento cultural, barreiras linguísticas e discriminação aumentam o problema, disseram especialistas em saúde mental ao San Francisco Chronicle em janeiro de 2013. Além disso, Aileen Duldulao, principal autora de um estudo sobre taxas de suicídio entre asiáticos americanos, disse que os países ocidentais cultura hiper-sexualiza as mulheres americanas asiáticas.

Hispânicos e Depressão

Um estudo da Universidade Brigham Young em 2005 com 168 imigrantes hispânicos que vivem nos Estados Unidos por uma média de cinco anos descobriu que aqueles latinos que percebiam que eram alvos do racismo tinham distúrbios do sono, precursor da depressão.

"Indivíduos que experimentaram racismo podem estar pensando no que aconteceu no dia anterior, sentindo-se estressados ​​com a capacidade de ter sucesso ao serem julgados por algo que não seja mérito", disse o Dr. Patrick Steffen, principal autor do estudo. "O sono é o caminho através do qual o racismo afeta a depressão". Steffen também conduziu um estudo de 2003 que ligou episódios percebidos de discriminação racial a um aumento crônico da pressão arterial.