Novo

Gabriel Garcia Moreno: cruzado católico do Equador

Gabriel Garcia Moreno: cruzado católico do Equador

Gabriel Garcia Moreno, Presidente do Equador 1860-1865, 1869-1875:

Gabriel García Moreno (1821-1875) foi um advogado e político equatoriano que serviu como presidente do Equador de 1860 a 1865 e novamente de 1869 a 1875. No meio disso, ele governou através de administrações de marionetes. Ele era um conservador e católico firme que acreditava que o Equador só prosperaria quando tivesse laços fortes e diretos com o Vaticano. Ele foi assassinado em Quito durante seu segundo mandato.

Início da vida de Gabriel Garcia Moreno:

García nasceu em Guayaquil, mas se mudou para Quito ainda jovem, estudando direito e teologia na Universidade Central de Quito. Na década de 1840, ele estava se destacando como um conservador inteligente e eloquente que se opunha ao liberalismo que varria a América do Sul. Ele quase entrou no sacerdócio, mas foi criticado por seus amigos. Ele viajou para a Europa no final da década de 1840, o que serviu para convencê-lo ainda mais de que o Equador precisava resistir a todas as idéias liberais para prosperar. Ele voltou ao Equador em 1850 e atacou os liberais no poder com mais invencibilidade do que nunca.

Início da carreira política:

Até então, ele era um orador e escritor conhecido pela causa conservadora. Ele foi exilado para a Europa, mas retornou e foi eleito prefeito de Quito e nomeado reitor da Universidade Central. Ele também serviu no senado, onde se tornou o principal conservador do país. Em 1860, com a ajuda do veterano da independência Juan José Flores, García Moreno assumiu a presidência. Isso foi irônico, pois ele era um defensor do inimigo político de Flores, Vicente Rocafuerte. García Moreno rapidamente aprovou uma nova constituição em 1861, que legitimava seu governo e lhe permitia começar a trabalhar em sua agenda pró-católica.

O catolicismo infalível de García Moreno:

García Moreno acreditava que apenas estabelecendo laços muito estreitos com a igreja e o Vaticano o Equador progrediria. Desde o colapso do sistema colonial espanhol, políticos liberais no Equador e em outros lugares da América do Sul haviam reduzido severamente o poder da igreja, retirando terras e edifícios, responsabilizando o Estado pela educação e, em alguns casos, expulsando padres. García Moreno decidiu reverter tudo: convidou os jesuítas para o Equador, encarregou a igreja de toda a educação e restaurou os tribunais eclesiásticos. Naturalmente, a constituição de 1861 declarou o catolicismo romano a religião oficial do estado.

Um passo longe demais:

Se García Moreno tivesse parado com algumas reformas, seu legado poderia ter sido diferente. Seu fervor religioso não tinha limites, no entanto, e ele não parou por aí. Seu objetivo era um estado quase teocrático governado indiretamente pelo Vaticano. Ele declarou que apenas os católicos romanos eram cidadãos plenos: todos os outros tiveram seus direitos despojados. Em 1873, ele teve o congresso dedicado à República do Equador para "O Sagrado Coração de Jesus". Ele convenceu o Congresso a enviar dinheiro do Estado ao Vaticano. Ele sentiu que havia um vínculo direto entre a civilização e o catolicismo e pretendia impor esse vínculo em sua nação natal.

Gabriel Garcia Moreno, Ditador do Equador:

García Moreno era certamente um ditador, embora um cujo tipo já era desconhecido na América Latina antes. Ele limitou severamente a liberdade de expressão e a imprensa e escreveu suas constituições para se adequar à sua agenda (e ignorou as restrições quando desejava). O Congresso estava lá apenas para aprovar seus decretos. Seus críticos mais leais deixaram o país. Ainda assim, ele era atípico, pois sentia que estava agindo para o melhor de seu povo e seguindo suas pistas de um poder superior. Sua vida pessoal era austera e ele era um grande inimigo da corrupção.

Realizações da administração do Presidente Moreno:

As muitas realizações de García Moreno são muitas vezes ofuscadas por seu fervor religioso. Ele estabilizou a economia estabelecendo um tesouro eficiente, introduzindo uma nova moeda e melhorando o crédito internacional do Equador. O investimento estrangeiro foi incentivado. Ele forneceu uma educação boa e de baixo custo, trazendo jesuítas. Ele modernizou a agricultura e construiu estradas, incluindo uma faixa de carroça decente de Quito a Guayaquil. Ele também adicionou universidades e aumentou a matrícula de estudantes no ensino superior.

Relações Exteriores:

García Moreno era famoso por se intrometer nos assuntos das nações vizinhas, com o objetivo de trazê-los de volta à igreja, como havia feito com o Equador. Ele foi duas vezes à guerra com a vizinha Colômbia, onde o presidente Tomás Cipriano de Mosquera estava restringindo os privilégios da igreja. Ambas as intervenções terminaram em fracasso. Ele foi franco em seu apoio ao transplante austríaco Imperador Maximiliano do México.

Morte e legado de Gabriel García Moreno:

Apesar de suas realizações, os liberais (a maioria no exílio) odiavam García Moreno com uma paixão. De segurança na Colômbia, seu crítico mais severo, Juan Montalvo, escreveu seu famoso artigo "A Ditadura Perpétua", atacando García Moreno. Quando García Moreno declarou que não deixaria o cargo depois que seu mandato expirasse em 1875, ele começou a receber sérias ameaças de morte. Entre seus inimigos estavam os maçons, dedicados a encerrar qualquer conexão entre igreja e estado.

Em 6 de agosto de 1875, ele foi morto por um pequeno grupo de assassinos empunhando facas, facões e revólveres. Ele morreu perto do Palácio Presidencial em Quito: um marcador ainda pode ser visto lá. Ao saber das notícias, o papa Pio IX ordenou uma missa em sua memória.

García Moreno não tinha um herdeiro capaz de igualar sua inteligência, habilidade e fervorosas crenças conservadoras, e o governo do Equador se desfez por um tempo enquanto uma série de ditadores de vida curta tomava conta. O povo do Equador realmente não queria viver em uma teocracia religiosa e, nos anos caóticos que se seguiram à morte de García Moreno, todos os seus favores à igreja foram retirados novamente. Quando a firebrand liberal Eloy Alfaro assumiu o cargo em 1895, ele se certificou de remover todo e qualquer vestígio da administração de García Moreno.

Os equatorianos modernos consideram García Moreno uma figura histórica fascinante e importante. O homem religioso que aceitou o assassinato como martírio hoje continua a ser um tópico popular para biógrafos e romancistas: a mais recente obra literária de sua vida é Sé que vienen a matarme (“Eu sei que eles estão vindo para me matar”) uma obra que é meio biografia e meio ficção escrita pela aclamada escritora equatoriana Alicia Yañez Cossio.

Fonte:

Arenque, Hubert. Uma história da América Latina desde o início até o presente. Nova York: Alfred A. Knopf, 1962.